“Conciliar duas dimensões fundamentais: família e trabalho”

  Categoria: Assuntos Sócio-Laborais

2018-12-23_dv

 

Leia aqui o artigo de opinião desta semana assinado por António Saraiva na sua coluna semanal do Dinheiro Vivo, ao domingo.
Publicado no Dinheiro Vivo, edição de 23.12.2018

https://www.dinheirovivo.pt/opiniao/conciliar-duas-dimensoes-fundamentais-familia-e-trabalho-2/

Em vésperas do Natal, a conciliação entre vida familiar e profissional é um tema para o qual estamos, naturalmente, mais despertos.

Estas duas dimensões, fundamentais para a realização e valorização de cada pessoa e para o desenvolvimento saudável de qualquer sociedade, entram, por vezes, em conflito, em competição pelo mesmo recurso escasso: o tempo.

Acresce que a necessidade de harmonização entre estas duas realidades faz-se sentir num cenário de profundas transformações, tanto no mundo do trabalho quanto na instituição familiar.

As melhores soluções, no meu entender, devem resultar da adoção de abordagens voluntárias, no quadro de acordo entre empresas e trabalhadores e/ou entre parceiros sociais, através da negociação coletiva.

O enquadramento legal é, sem dúvida, indispensável, mas dificilmente poderá abarcar as diferentes especificidades das empresas, dos setores e das necessidades particulares de cada trabalhador.

É inegável a importância que a flexibilização da organização do tempo de trabalho assume neste domínio. Flexibilidade que apresenta virtualidades, não só para ajustamentos às flutuações das necessidades empresariais como para uma melhor articulação com a dimensão pessoal e/ou familiar.

Existem já, no nosso ordenamento, diversas figuras que podem ser utilizadas nesse sentido, como horários flexíveis, tempo parcial, adaptabilidade, horários concentrados, banco de horas ou a possibilidade de, por acordo, fazer a compensação entre ausências por iniciativa do trabalhador e trabalho realizado. Muitas destas figuras são ainda insuficientemente conhecidas e utilizadas e, por vezes, o próprio legislador, consciente ou inconscientemente, restringe ou condiciona excessivamente a utilização destes instrumentos.

Por outro lado, muitas empresas vão para além da legislação, adotando, voluntariamente, práticas que demonstram a sua preocupação neste domínio.

É certo que essa conciliação depende, também, de escolhas pessoais e familiares, onde pesam os valores que nos foram transmitidos. Daí a importância de promover uma atitude de partilha de responsabilidades e de tarefas entre homens e mulheres para combater, desde a escola, os estereótipos.

Sublinharia ainda a importância do desenvolvimento de uma rede de infraestruturas de apoio à primeira e segunda infância, que deem resposta, de forma flexível e a custo acessível, às necessidades dos pais e das crianças.

Relativizando a perceção, promovida por alguns, que muito pouco ou nada foi feito neste domínio, refira-se que, de acordo com um inquérito recentemente do Instituto Nacional de Estatística, 76,6% dos inquiridos (que disseram cuidar de filhos menores de 15 anos ou familiares dependentes) indicaram não terem obstáculos à conciliação da vida familiar com a vida profissional.

No entanto, este é, sem dúvida, um desafio permanente para o qual, individual e coletivamente, devemos encontrar a melhores respostas.

Preocupado com este tema, promovi, na CIP, um estudo – “Desafios à conciliação família-trabalho” – elaborado pela Nova School of Business and Economics, com o apoio da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE), que será apresentado brevemente.

Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn