Face às previsões mais recentes para o ano de 2016, de outubro deste ano, o Banco de Portugal reviu em alta a taxa de crescimento homólogo do PIB, fixando-a agora em 1,2%.

Nos próximos três anos, as exportações continuarão a ser a componente da procura global com maior contributo para o crescimento da atividade. O consumo privado deverá passar a aumentar ligeiramente abaixo da taxa de crescimento do PIB. O maior dinamismo da economia portuguesa face a 2016 deverá ser sustentado pela recuperação do investimento empresarial.

O presidente da CIP, António Saraiva, comentou que “seria bom e que 2017 fosse, de facto, o ano do relançamento do investimento em Portugal, a par com o reforço das exportações. Para tal, espero que as políticas públicas se concentrem no estímulo a estas variáveis chave do crescimento.”

Consulte aqui a análise da CIP às últimas projeções económicas para Portugal.