Foi lançada uma plataforma online dedicada às Parcerias para o Desenvolvimento com o objetivo de facilitar o acesso das empresas portuguesas a informação sobre os fundos disponibilizados pelos bancos multilaterais e pela União Europeia para investimento em países em desenvolvimento. Colocação de verbas à disposição das empresas portuguesas para promover a sua internacionalização e, ao mesmo tempo, promover o desenvolvimento dos países onde os projetos são aplicados, na óptica que «exportar desenvolvimento é importar segurança».

A plataforma visa:

fornecer informações sobre as oportunidades disponíveis em 144 países em desenvolvimento em projetos financiados pelos sete bancos multilaterais de que o Estado português é acionista e os fundos de cooperação da União Europeia;

proporcionar às empresas a entrada nos mercados dos países em desenvolvimento, sobretudo as PME, tendo em conta que atualmente o número de empresas que aproveitam estas oportunidades é muito reduzido;

disponibilizar (através da União Europeia) 54 mil milhões de euros no período 2014-2020, dos quais 1,3 mil milhões de euros são destinados aos «parceiros tradicionais da cooperação português» – os países africanos lusófonos e Timor-Leste.

reduzir o risco de crédito pois:

os bancos financiadores pagam os serviços prestados, não havendo riscos cambiais porque os pagamentos são feitos em dólares ou euros, nem existindo o problema da expatriação de capitais;

internacionalização sem os riscos associados às leis de mercado tradicionais, aumentando o número e a taxa de sucesso das candidaturas;

O portal (atualizado em tempo real) é aberto e permite quer a busca por país, fornecendo todas as ofertas disponíveis para esse país, quer por sector de atividade, estando, presentemente, disponíveis na plataforma 720 oportunidades distribuídas por 19 setores de atividade em 122 países.

disponibilizar os contactos da representação diplomática ou da delegação da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) desse país, para efeitos de informações sobre o mercado e de apoio técnico na elaboração da candidatura;

Apesar de especialmente direcionada para as empresas, a plataforma também apresenta oportunidades para universidades, organizações não-governamentais ou outros parceiros da cooperação.

No futuro, a plataforma servirá para estabelecer o contacto entre empresas que se candidatam para promover consórcios, nos casos em que uma empresa isolada não preenche os requisitos exigidos no caderno de encargos de cada projeto.

Os sete bancos de que Portugal é acionista e que financiam projetos nestes países são o Banco Mundial, Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Banco Asiático de Desenvolvimento, Corporação Andina de Fomento e Banco Europeu de Investimento que disponibilizam cerca de 60 mil milhões de dólares (52,7 mil milhões de euros) por ano para projetos nos países em desenvolvimento.