DIVERSIFICAR O MODELO DE FINANCIAMENTO DAS PME

 

BANNER28CONF

 

CONFERÊNCIA | PROGRAMA | ORADORESINSCRIÇÕES | CONTACTOS | DOCUMENTOS

 

ENQUADRAMENTO

Os desafios do mundo global do século XXI exigem das empresas portuguesas uma ambição e capacidade que tem que ultrapassar as fronteiras nacionais e ganhar relevo no seu mercado relevante à escala internacional, condição de se manterem competitivas e até de sobrevivência. Estes novos desafios implicam capacidade de crescer e de inovar, num mundo muito mais diversificado, especializado e profissional, e onde possivelmente enfrentamos um conjunto mais alargado de riscos. Esta realidade deve levar as empresas a repensarem as suas estratégias de financiamento, se quiserem ultrapassar os novos desafios, recorrendo a instrumentos de capital e dívida que permitam acompanhar esse crescimento, mas também alavancar a visibilidade e credibilidade que as empresas procuram.

OBJETIVOS

Neste contexto, pretende-se com esta sessão debater a situação atual do financiamento, contando com a visão do setor bancário, dos reguladores e das empresas e perspetivar soluções alternativas, através da partilha de experiências internacionais com especialistas da Comissão Europeia, do Mercado de Capitais, da Garantia Mútua, dos Fundos Especializados e Fiscalistas.

PRESSUPOSTOS CIP SOBRE O FINANCIAMENTO EMPRESARIAL

A CIP considera a questão do financiamento das PME’s uma questão central, que precisa de ser respondida em tempo útil.
Torna-se necessário que, para além do financiamento bancário – que, apesar da complexidade atual, permanecerá como uma importante fonte de financiamento – sejam desenvolvidos e implantados novos mecanismos especializados no financiamento das PME’s:

  • Novos tipos de intermediários especializados;
  • Novos produtos e instrumentos de financiamento de PME’s.

Estas novas fontes de financiamento deverão, de forma progressiva, ganhar peso, articulando-se com as formas mais tradicionais de crédito bancário.

Considera-se, de igual modo, que algumas das novas fontes de financiamento, tais como os Fundos Especializados, podem dar um contributo importante para um movimento de modernização do nosso tecido produtivo.

PROGRAMA GLOBAL E CONCLUSÕES

A CIP considera que deveria ser lançado um Programa Global, em que as formas mais tradicionais de financiamento fossem articuladas com o recurso ao Mercado de Capitais e à acção de novos intermediários financeiros, como é o caso dos diferentes tipos de Fundos Especializados no financiamento de PME’s.

Tal Programa pressupõe a implantação de um adequado quadro fiscal, jurídico-administrativo, de regulação e operacional, para além da utilização corrente de técnicas de “rating” e de “scoring” que permitam atrair ao Mercado Especializado no financiamento de PME’s novos investidores nacionais e estrangeiros.

Depois de avaliar e discutir estas questões – que assumem uma importância crítica, tanto pela situação doméstica, como pela evolução dos Mercados Bancários Europeus, a caminho da implantação da União Bancária – a CIP pretende chegar a um conjunto de Conclusões e Propostas, a dirigir ao Governo.

footerparceiros_2

 

POPH
QREN
Governo da República Portuguesa
União Europeia