Categoria: Notícias dos Associados



Millennium BCP e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguros de crédito

2019-03-12_logo_millenniumbcp

 

O Millennium BCP e a COSEC – Companhia de Seguros de Crédito assinaram um protocolo de distribuição de seguros de crédito nas redes comerciais do Millennium BCP.

Através desta parceria com a seguradora especialista nos ramos do seguro de crédito e caução, o Millennium BCP passa a disponibilizar aos seus clientes os seguros de crédito da COSEC, que permitem a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços, em Portugal e no estrangeiro. Adicionalmente, o seguro de créditos facilita a gestão da tesouraria das empresas uma vez que possibilita acesso a operações de crédito de antecipação de receitas garantidas com o endosso de seguros.

Para mais informações aceda ao comunicado referente à assinatura deste protocolo.

Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

  Categoria: Notícias dos Associados


APIC – Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes

logo-ao-baixo-hr

 

A origem da APIC – Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes remonta à primeira metade do século XIX, altura em que surgem a AIP – Associação Industrial Portuguesa e a Associação Industrial Portuense, atual AEP – Associação Empresarial de Portugal, às quais os industriais de curtumes aderiram, fazendo a defesa fazendo a defesa e organizando o setor através destes fora.

Contudo, a primeira entidade verdadeiramente representativa do setor surge, já no século XX, sob a forma de Grémio, obedecendo à lógica corporativista de organização das atividades económicas preconizada pelo Estado Novo. Assim, em 1958, por despacho do Ministério das Corporações, nasce o Grémio Nacional dos Industriais de Curtumes, cuja direção foi desde logo assumida por industriais, o que lhe conferia a fundamental legitimidade para o exercício do seu mandato. As preocupações estratégicas e de defesa do interesse coletivo marcaram todo o percurso do Grémio. Já nessa altura, os industriais demonstravam possuir uma visão estratégica apurada, antevendo muitas das atuais preocupações e principais linhas mestras de desenvolvimento do sector, e que continuam muito atuais. Com a revolução de abril de 1974 é virada uma nova página, com a transição do Grémio para a atual Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes – APIC. A transição, tal como a revolução, teve os seus momentos de convulsão, mas o bom senso acabou por imperar, garantindo-se a necessária continuidade da Associação até aos dias de hoje.

Os principais objetivos que norteiam a atividade da APIC são a representação e defesa do interesse coletivo, a definição da estratégia de desenvolvimento da indústria e a elaboração e execução de projetos mobilizadores e estruturantes do setor de curtumes português.

Esta associação encontra-se inserida num sistema composto pelo CTIC – Centro Tecnológico das Indústrias do Couro – e pela AUSTRA – Associação de Utilizadores do Sistema de Tratamento de Águas Residuais de Alcanena, no qual é a entidade responsável pela definição da estratégia global a ser seguida pela indústria de curtumes como um todo, e naturalmente, também pelas restantes entidades que compõem este sistema.

A APIC dispõe de uma estrutura pequena, ligeira, dinâmica e flexível, assente em apenas 3 colaboradores. Quanto à sua atividade, a associação tem vindo a concentrar-se na prestação de serviços ao associado de maior valor acrescentado,  com maior preponderância sobre os serviços tradicionais de menor valor acrescentado, embora estes ainda constituam uma parte importante do trabalho desenvolvido.

No que respeita a PONTOS FORTES, a APIC caracteriza-se por:

  • Possuir uma estrutura ligeira, dinâmica e flexível;
  • Forte vocação para as atividades de INTERNACIONALIZAÇÃO;
  • Capacidade de desenvolvimento de intervenções em outras áreas da competitividade das empresas;
  • Deter uma dinâmica de crescimento dentro da fileira de couro, tendo vindo a abarcar mais empresas associadas na indústria de curtumes, comércio de couros e peles, de artigos em couro e componentes e de comércio de produtos químicos;
  • Dispor de ótimas ligações às entidades internacionais representativas da Indústria de Curtumes, nomeadamente a Confederação Europeia – COTANCE – a Associação Mundial – ICT – International Council of Tanners – e à ICHSLTA – International Council of Hides Skins & Leather Traders Associations e à IULTCS – Internacional Union of Leather Technologists and Chemists Societies;
  • Experiência bastante considerável no desenvolvimento de projetos, com especial enfoque na INTERNACIONALIZAÇÃO;
  • Maturidade no diálogo social com os parceiros sociais;
  • Estabilidade organizacional, no quadro de uma instituição com mais de 50 anos.

No cômputo geral, a APIC tem desenvolvido a sua atividade com regularidade e encontra-se numa fase de maturidade no que respeita às atividades de internacionalização e com perspectivas de crescimento noutras áreas, através do desenvolvimento de um novo projeto de capacitação para a Indústria de Curtumes, pelo que está em condições de consolidar a sua posição.

Mais informações em www.apic.com.pt

logo-ao-baixo-hr    lfp

Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

  Categoria: Newsletter, Notícias dos Associados


CELPA promove Prémio Floresta e Sustentabilidade

logo-celpa

 

A CELPA – Associação da Indústria Papeleira está a promover a 2ª edição do Prémio Floresta e Sustentabilidade – https://cofinaeventos.com/premiofloresta2018/ -, o único prémio inteiramente dedicado à fileira florestal portuguesa.

As candidaturas estão abertas até 31 de Dezembro de 2018 (Economia e Gestão, Floresta e Comunidade e Inovação&Ciência) e 31 de Janeiro de 2018 (categoria Escolas e Floresta).

As categorias deste ano são:

  1. Gestão e Economia da Floresta: Prémio que pretende distinguir projetos e/ou negócios sustentáveis lançados por associações de produtores, produtores, empresas florestais, empresas não florestais, prestadores de serviços ou outras entidades.
  2. Floresta e Comunidade:Prémio que pretende distinguir projetos de educação ambiental e florestal provenientes de ONG, autarquias ou outras entidades, incluindo pessoas individuais, que tenham projetos de proteção da floresta.
  3. Inovação e Ciência:Prémio que distingue projetos inovadores provenientes da academia ou outras entidades relacionadas com a área. Podem candidatar-se a esta categoria trabalhos na área das ciências exatas, sociais, humanas e naturais, entre outras.
  4. Escola e a Floresta:Prémio que distingue projetos de escolas através de trabalhos realizados por alunos que frequentem o 10º, 11º e 12º anos, e coordenados por docentes. O tema é “O Valor da Floresta em 3 minutos” e deverá ser apresentado em formato vídeo (com cerca de 3 minutos).
Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

  Categoria: Notícias dos Associados