Categoria: Assuntos Internacionais




Grupo de Trabalho da CIP reúne para concertação de posições sobre assuntos de Comércio Internacional

2019-03-20_gtci-2

 

 

No dia 20 de março, realizou-se mais uma reunião do Grupo de Trabalho da CIP sobre Comércio Internacional e Internacionalização, em que foram discutidos os assuntos da agenda de política comercial internacional, entre os quais, a estratégia europeia de comércio internacional 2019-2024, as ações de preparação para o Brexit e as relações económicas com a China.

Foi anda realizado um ponto de situação sobre os trabalhos do Conselho Estratégico para a Internacionalização da Economia.

A reunião contou com a participação de Alice Rodrigues, da DGAE – Direção-Geral das Atividades Económicas, que fez o ponto de situação detalhado da negociação e implementação de Acordos de Comércio Livre.

Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

  Categoria: Assuntos Internacionais, Destaque


“Bons ventos para o investimento português em África”

2019-03-02_artigo-dv

 

Os laços históricos, culturais e linguísticos que Portugal tem com os países africanos lusófonos conferem-lhe uma vantagem competitiva incomparável.

Leia aqui o artigo de opinião desta semana assinado por António Saraiva na sua coluna semanal do Dinheiro Vivo, ao sábado.
Publicado no Dinheiro Vivo, edição de 02.03.2019

https://www.dinheirovivo.pt/opiniao/bons-ventos-para-o-investimento-portugues-em-africa/

Muitos economistas preveem que África se tornará, nas próximas décadas, um ator fundamental na economia global. A riqueza inexplorada em recursos naturais, posição geoestratégica, vastas terras aráveis e crescimento populacional em expansão justificam esta visão positiva do potencial de desenvolvimento deste continente.

Para transformar este potencial em crescimento efetivo, os países africanos precisam de capacitar a sua população, investir, recorrendo a tecnologias adequadas, e tirar maior partido do comércio e do investimento internacional, integrando-se nos mercados globais de forma mais eficaz.

A Europa está agora a tomar uma maior consciência da importância de África para o seu próprio futuro e da necessidade da aposta numa verdadeira parceria euro-africana, não só em termos de ajuda ao desenvolvimento mas também de comércio e de investimento. Jean-Claude Juncker afirmou mesmo que “o futuro do mundo depende da boa cooperação entre Europa e África”.
Os laços históricos, culturais e linguísticos que Portugal tem com os países africanos lusófonos conferem-lhe uma vantagem competitiva incomparável que facilita a participação das empresas portuguesas neste processo de desenvolvimento, com proveito mútuo.

Mas esta vantagem competitiva não tem um horizonte temporal ilimitado, pois os recursos naturais imensos que este continente possui constituem um sério atrativo para os demais concorrentes. E não me refiro apenas aos concorrentes europeus, mas, principalmente, aos concorrentes asiáticos, nomeadamente a China, que tem vindo a investir fortemente no relacionamento económico com os países africanos.

A dificuldade de acesso ao financiamento tem sido um fator de travagem do investimento das empresas portuguesas nos países em desenvolvimento, nomeadamente em África.

Tendo em conta o volume de financiamentos disponibilizado pelas instituições financeiras multilaterais nestes mercados, parecia evidente que estávamos a passar ao lado de oportunidades que não podiam ser desperdiçadas.

Nesta semana, no seminário sobre o financiamento do investimento em África promovido pela CIP em parceria com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e a SOFID – Sociedade para o Desenvolvimento do Financiamento, ficou bem patente a dimensão dos financiamentos do BEI nos países africanos: só em 2018, o BEI financiou projetos de investimento em África num total de 1387 milhões de euros, 60% dos quais promovidos pelo setor privado.

É por isso com esperança que constato os passos que estão a ser dados na capacitação e na orientação estratégica da SOFID, a instituição financeira de crédito portuguesa vocacionada precisamente para apoiar o investimento privado nos países em desenvolvimento.

Um marco importante para um papel reforçado da SOFID foi dado, em janeiro, com o primeiro contrato com o BEI para financiar uma linha de crédito destinada a projetos de pequenas e médias empresas (PME) nos países ACP (África, Caraíbas e Pacífico).

Estou certo de que a visita de Estado do Presidente da República a Angola, na próxima semana, com duas escalas simbólicas, em Cabo Verde e em São Tomé e Príncipe, contribuirá para um enquadramento diplomático facilitador do investimento português em África.

Partilhar...Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedIn

  Categoria: Assuntos Económicos, Assuntos Internacionais